Publicado por Stefanie Mouret
  • Compartilhe no Google+
  • Compartilhe no Whatsapp

Todo ser humano, em algum momento de sua vida, é acometido por uma doença, enfermidade ou mal estar. Quando isso acontece, rapidamente recorre-se ao médico ou a uma farmácia para comprar a medicação que trate do problema específico. Você já imaginou, no entanto, como se tratavam nossos antepassados numa época em que não existiam remédios industrializados? A resposta é muito simples: através da medicina natural. O poder de cura das plantas sempre foi estudado e pesquisado, e num tempo em que não se havia outra opção, o conhecimento sobre suas propriedades e benefícios era disseminado de pais para filhos. Assim, problemas simples como cólicas menstruais, resfriados, até os mais graves como pneumonia, eram tratados de maneira natural. Infelizmente, com a chegada da era tecnológica e dos avanços farmacêuticos, o conhecimento sobre a medicina natural se perdeu em muitos locais. Porém, ainda é possível se beneficiar de plantas benéficas ao organismo, como a Agnocasto. Seu nome científico é Vitex agnus castus L., e é conhecida como limba, alecrim de angola, ajerobo, casto, árvore da castidade e agnocasto.

Agnocasto

Foto: Reprodução

Propriedades e benefícios

Da família Verbanaceae, a Agnocasto é uma planta constituída por iridóde (agnusídeo), casticina, óleos graxos e óleos essenciais. Entre suas principais propriedades estão: anti-inflamatório, antisséptico, diurético, calmante, antiestrogênico, sedativo, analgésico, inibidor do hormônio FSH, estimulante do hormônio LH.

O uso da planta é indicado em especial para mulheres que sofrem de fortes cólicas menstruais (e outras males decorrentes da menstruação, como acnes e espinhas, dores nas pernas, na coluna e seios sensíveis); melhora a condição de quem sofre de insônia, ansiedade, oscilações de humor e taquicardia; estudos comprovaram também que a Agnocasto estimula a lactação, sendo indicada para mulheres que estejam amamentando; reduz os sintomas exacerbados da menopausa; diminui a libido masculina, sendo utilizado para homens com excesso de desejo sexual; alivia os sintomas da tensão pré-menstrual (a famosa TPM), e é uma excelente opção para prevenir ou auxiliar no tratamento da endometriose.

Como utilizar a Agnocasto?

As flores e frutos secos da planta podem ser encontrados em lojas de produtos naturais e farmácias. Para o preparo, basta levar ao fogo um litro de água juntamente com 200 g da planta. Deixe ferver por 10 minutos, então abafe e coe. Consuma quando a temperatura estiver agradável. O chá pode ser consumido entre duas e quatro vezes ao dia.

Caso não encontre a planta triturada para chá, também é possível encontra-la por meio de cápsulas e comprimidos.

É importante considerar que foram relatados efeitos colaterais como aumento do fluxo menstrual, alergia na pele, dores de cabeça e distúrbios intestinais. Caso observe o aparecimento de qualquer reação inesperada, interrompa o uso e busque imediatamente orientação médica. No caso de gestantes e lactantes, recomenda-se que confirmem com um médico de confiança se estão aptas para ingerir a Agnocasto.

Veja mais!