Publicado por Débora Silva
  • Compartilhe no Google+
  • Compartilhe no Whatsapp

A carne mais consumida no mundo é a de porco, alimento que tem sido motivo de controvérsias há muitos anos, desde a época em que os animais eram criados em locais nada limpos. Este tipo de carne agrada a muitas pessoas devido o seu sabor, mas muitos a evitam por pensarem que ela faz mal à saúde. Mas será que isto é verdade?

Neste artigo, saiba se comer carne suína é prejudicial à sua saúde.

Comer carne de porco é prejudicial à saúde?

No passado, as condições em que o porco era criado levavam ao crescimento de várias doenças, como a cisticercose cerebral, o que fez com que muitas pessoas não recomendassem o consumo desta carne. Atualmente, o problema sanitário está praticamente resolvido e as carnes apresentam um selo de qualidade, sendo importante que a sociedade faça um controle, observando a procedência do alimento.

Muitas pessoas também se preocupam com a fama de que a carne de porco é rica em gordura, colesterol e calorias, mas tudo dependerá do corte escolhido.

Este tipo de carne não é a mais calórica das carnes: o lombo suíno, por exemplo, tem menos calorias que a coxa de frango. Já as opções como a bisteca e o bacon são realmente calóricas e não devem fazer parte do cardápio daqueles que estão preocupados em manter a saúde e a boa forma.

Mas então, carne de porco é prejudicial à saúde ou não? Não existe nenhuma pesquisa conclusiva que afirme que este tipo de carne faz mal à saúde ou que o seu consumo seja totalmente seguro.

Carne de porco faz mal a saúde humana?

Foto: Pixabay

A visão de que carne de porco faz mal à saúde ainda predomina em muitas regiões do mundo, tanto por motivos religiosos, quanto pela questão sanitária. Dependendo do manuseio durante o abate, modo de cozimento ou pela própria natureza do animal, este tipo de carne pode abrigar parasitas que podem causar doenças sérias, como a cisticercose. No entanto, como já dissemos, atualmente há um maior controle com relação às questões sanitárias. Ao contrário de tempos passados, atualmente os suínos são criados em fazendas higienizadas e com uma alimentação nutricionalmente balanceada.

Outro ponto contra a carne de porco seria o elevado teor de gordura saturada do animal, que está relacionada com o aumento de riscos de problemas cardíacos e obesidade.

As mudanças na criação dos animais foram responsáveis por uma redução média de 31% do teor de gordura, 14% das calorias e 10% do colesterol da carne de porco nos últimos anos.

Cuidados no preparo

Para evitar os possíveis problemas causados pela presença de vírus, bactérias e vermes, a carne deve ser cozida da maneira adequada. Não há risco se o alimento estiver bem cozido e, em hipótese alguma, a carne suína pode ser ingerida crua ou malpassada. Muitos profissionais afirmam que a carne de porco é tão saudável quanto a carne de frango, no entanto, é fato que este alimento é mais suscetível à contaminação que os demais tipos de carne. Assim sendo, o importante é ter um cuidado maior ao preparar e consumir o alimento, verificando se a carne está devidamente congelada antes do cozimento, higienizar os utensílios e cozinhá-la em altas temperaturas.

É importante ressaltar que, devido à quantidade de ácido úrico que produz, a carne de porco é considerada uma carne vermelha, portanto, deve ser consumida como tal: uma porção de 100g, de duas a três vezes por semana.

Veja mais!