Publicado por Ana Ligia
  • Compartilhe no Google+
  • Compartilhe no Whatsapp

Uma professora de nutrição da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Cinthia Guedes, junto com suas alunas, Laryssa Nunes e Larissa Calheiros, estão desenvolvendo uma bebida nutritiva a base de inhame, alternativa ideal para quem possui intolerância à lactose e glúten.

Uma pesquisa realizada pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Campinas (SP) mostra que aproximadamente 40 milhões de brasileiros sofrem intolerância a lactose e mais de 3 milhões uma sensibilidade à ingestão do glúten. Esse grupo é obrigado a possuir uma dieta extremamente rígida e restrita.

Criação da bebida

A partir deste dado, as nutricionistas resolveram aliar a facilidade de logística de mercado para o inhame com suas ricas funções alimentares. O tubérculo foi empregado na criação de uma bebida que incluiu lactobacilos e frutas, cuja atributos atingem um produto com forte apelo para a saúde e uma opção para quem possui restrições específicas na dieta.

Desenvolvida por grupo de universidade brasileira bebida nutritiva de inhame

Foto: Depositphotos

Nos experimentos para elaboração do suco foram somadas a farinha do inhame junto com frutos tropicais e assim feita a multiplicação dos lactobacilos. As mais usadas foram maracujá e abacaxi, devido a ótima aceitação do paladar que elas possuem. As nutricionistas defendem que uma comida ou bebida saudável deve ser, antes de mais nada, prazerosa de ser ingerida.

Benefícios do inhame

Além do inhame ser antioxidante, retardando o processo de envelhecimento da pele e ainda servir para uma prevenção do perfil hormonal das mulheres, a sua farinha enriquece a bebida graças às fibras que possui. A suas funções poderão ir desde a proteção da flora intestinal até o auxílio à imunidade, com uso contínuo, podendo ainda combater doenças como a obesidade. Os resultados científicos foram submetidos a congressos de pesquisas, tendo como foco também o rendimento e saúde dos atletas.

A bebida ainda está em fase de testes antes de ser disponibilizada para venda e consumo. É preciso ter conhecimento de coisas como: qual a correta concentração dos microrganismos e da farinha do inhame, temperaturas e ambientes ideais.

Veja mais!