Publicado por Natália Petrin
  • Compartilhe no Google+
  • Compartilhe no Whatsapp

Ênula campana, de nome científico inula helenum, é uma planta que pertence à família das compostas que pode chegar a alcançar 120 centímetros de altura. A planta, também conhecida popularmente como inula, possui flores hermafroditas e pequenas, com coloração branco amarelada e pétalas plenas. Seu crescimento se dá por meio de abase ou invólucro de folhas aveludadas. Sua raiz é grossa, bifurcada e mucilaginosa, e deve ser colhida e cortada em pedaços para secar ao sol.

A planta também pode ser conhecida como helênio e erva campeira, e pode ser encontrada principalmente em regiões pedregosos desde a Grã-Bretanha, passando pelo centro e pelo sul da Europa e Oriente Médio, até a região do Himalaia. Seu sabor é bastante amargo, com odor canforado.

A planta, segundo uma lenda, era carregada na forma de buquê por Helena de Troia, quando esta foi sequestrada por Páris e levada de Frígia. O nome, para alguns, entretanto, se dá devido a Ilha de Helena, local onde a planta cresce com bastante viscosidade.

O plantio pode ser feito, mas preferencialmente em pastagens úmidas e locais sombreados, crescendo comumente na margem de estradas, valas e campos abandonados.

Você pode encontrar a planta em lojas de produtos naturais.

Ênula campana: benefícios e propriedades desta planta

Foto: Reprodução/ internet

Aplicações da ênula campana

Seu uso é aplicado na medicina tradicional, mas também na fabricação de bebidas alcoólicas, como o absinto, na França e na Suíça, por exemplo.

Na Alemanha, antigamente, era usada na fabricação de um vinho usado para tratar a debilidade do estômago. Na Alsácia, se consome a maceração da raiz de ênula campana.

Benefícios e propriedades

A planta, desde tempos antigos, era usada para fins medicinais, sendo um excelente tônico aromático e estimulante dos órgãos secretores. Apesar de não ser muito usada nos dias de hoje, pode ser empregada para tratar tosse seca e irritável, ou até mesmo a tosse catarral úmida. Com sua ação antibacteriana, a planta desinfeta os pulmões, de forma que o muco é mais fluído. Pode ser usada também para tratar a convalescença, atuando sobre o sistema digestivo e respiratório, recuperando a vitalidade e melhorando o apetite.

Pode ser usada ainda para combater vermes e parasitas intestinais, além de ser um ótimo remédio natural para tratar bronquite catarral, dores ciáticas e nevralgias. Suas propriedades envolvem sua ação como estimulante, antidisentérica, sudorífica, antisséptica, tônica, antibiótica, diurética, vermífuga, sedativa, colerética e emética. Além dos benefícios já citados, a água destilada feita com a planta e suas raízes ajuda a remover manchas da pele.

A planta possui um princípio ativo amargo que é conhecido como helenina, além dos óleos voláteis inulenina, mucilagens, entre outros, sendo bastante usada na fórmula de diversos medicamentos. Quando transformada em forma de frutose, é usada na confecção de um pão preparado para diabéticos.

Veja mais!