Publicado por Natália Petrin
  • Compartilhe no Google+
  • Compartilhe no Whatsapp

A planta labaça crespa, de nome científico rumex crispus, é na verdade uma erva daninha bastante comum nas beiras de estradas. Originária da Europa e da Ásia Ocidental, a planta encontra-se nos dias atuais naturalizada em diversas regiões do mundo, passando pela América do Norte, América do Sul, Nova Zelância e Austrália, por exemplo. Desenvolve-se bem em regiões mais úmidas, como é o caso de relvados e lameiros, assim como as outras plantas da mesma família.

Suas raízes bastante profundas removem do solo o ferro e outros minerais, sendo altamente indicada como medicamento natural para casos de anemia com deficiência de ferro.

Rumex é um gênero que apresenta aproximadamente 200 ervas anuais, bienais e perenes, incluindo não apenas a rumex crispus, mas muitas outras. A palavra “rumex” vem do latim e significa “lança”, remetendo ao formato das folhas, além da palavra “Crispus”, que também do latim significa “ondulado”, também fazendo referência às folhas.

Planta labaça crespa é eficaz contra o câncer e a acne

Foto: Reprodução/ internet

Benefícios e propriedades

Além de as raízes serem altamente indicadas para casos de anemia ferrosa, a planta pode ser usada no tratamento de acne, câncer, convalescença, constipação, desintoxicação por metais pesados, eczema, enfisema, doenças venéreas, urticária, sarna, psoríase, lombrigas, laringite, icterícia, glândulas inchadas, estafilococo, além de muitos outros benefícios.

Pode ser usada na medicina popular como uma forma de melhorar o funcionamento dos rins, do fígado, das glândulas linfáticas e do intestino. É usada para eliminar poluentes, desintoxicando o corpo.

Possui propriedades adstringente, antibacteriana, colagoga, diurética, febrífuga, laxante, purgante, tônica de sangue, entre outras.

Como consumir

A planta traz mais benefícios quando usada associada à outras plantas do que sozinha. Pode ser usada com a bardaria – Arctium lappa – para o tratamento de prisão de ventre, além de poder ser usada dessa forma para tratar toxicidade crônica e problemas de pele.

Pode ser usada associada à urtiga – Urtica dioica – para tratamento de problemas alérgicos e reumáticos. As duas possuem grandes quantidades de ferro, sendo altamente indicadas para o tratamento de anemia, principalmente quando usadas associadas.

Contraindicações e precauções

É importante tomar cuidado ao consumir o medicamento natural, uma vez que a planta possui em suas folhas uma grande concentração de oxalato, o que pode prejudicar a absorção de cálcio e agravar problemas de pedras nos rins quando usadas em excesso.

Veja mais!